sexta-feira, 25 de maio de 2018

ANALFABETISMO BÍBLICO: UMA REALIDADE DO MUNDO GOSPEL

Pastoral redigida para o Boletim Dominical da Primeira Igreja Batista em Manoel Corrêa

É triste, mas a cada dia percebe-se o quão distante das Escrituras está o povo de Deus. As pessoas tomam como verdade aquilo que qualquer um diz sobre a Bíblia sem nem mesmo consultar o texto sagrado. Essa falta de conhecimento faz com que muitos confundam as informações corrompidas de seriados de televisão, ou de novelas, com as narrativas bíblicas; chegando ao ponto de crerem que o roteiro retrata de forma fidedigna a revelação do Senhor. Contudo, além da canonização das novelas, o desconhecimento das Escrituras leva muitos a afirmar, com convicção, que ditados populares, tais como “diga-me com quem tu andas e te direi quem és”, são trechos da Palavra de Deus. E se alguém disser o contrário, dá até briga.
Isso é uma clara evidência do analfabetismo bíblico que assola o povo evangélico. Esse mal é, na verdade, um reflexo da postura da maioria em relação à leitura; visto que, de um modo geral, o povo brasileiro não gosta de ler. Fomos acostumados a receber informações através da televisão, do rádio e da internet. Vem tudo prontinho! Pra que “gastar” tempo lendo a Bíblia? Afinal, como dizem alguns: “já que eu leio e não entendo, pra que ler?” Por essa razão, a maior parte dos membros de nossas igrejas prefere pegar a refeição pronta a ter o trabalho de confeccioná-la. Isto é, preferem ouvir o que alguém diz sobre a Bíblia do que ouvir a própria Bíblia. O grande problema, entretanto, é que, quem segue esse raciocínio, acaba abraçando, sem saber, heresias. Por isso, muita gente anda se alimentando com comida estragada, com um evangelho deturpado, diferente da sã doutrina apresentada na Sagrada Escritura. O pior de tudo é que, quando confrontadas, essas pessoas lutam, com base no achismo (pois, não conhecem as Escrituras), para defender o ensino dos hereges.
Jesus, citando Deuteronômio 8.3, em Mateus 4.4, declarou: “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus”. Isso leva-nos, inevitavelmente, à conclusão de que o alimento do servo tem que sair da boca de seu Senhor, e não da boca do homem. Ou seja, é da Palavra de Deus que precisamos! Temos de meditar nela de dia e de noite (Salmos 1.2). Só assim as palavras de nossos lábios e a meditação de nossos corações serão agradáveis a Deus (Salmos 19.14). Contudo, se nos alimentarmos com comida estragada, a tendência será vomitar um monte de besteira, repetindo aquilo que os outros dizem sem, nem ao menos, consultar a Bíblia.
É necessário retomarmos o prazer na Lei do Senhor! Não podemos encarar a leitura das Escrituras como uma obrigação; devemos vê-la como uma necessidade! Temos de conhecer e prosseguir em conhecer o Senhor (Oséias 6.3). É um absurdo sabermos que há crentes antigos que não conhecem histórias clássicas como a de José do Egito, de Gideão, de Elias e os profetas de baal, etc. É necessário voltarmos às origens e empunharmos novamente a espada do Espírito, a saber, a Palavra de Deus. Diga não ao analfabetismo bíblico, seja conduzido pela Bíblia, não por um aparelho de TV ou pelas redes sociais! Não permita que outros manipulem a sua fé! “Antes, crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” (2Pedro 3.18).

Pr. Cremilson Meirelles