sábado, 10 de outubro de 2015

TERMOS EVANGÉLICOS QUE MUITOS EVANGÉLICOS NÃO SABEM O SIGNIFICADO – PARTE II

Resultado de imagem para dúvida
   Dando sequência à análise da terminologia evangélica, precisamos verificar o significado de uma expressão muito usada, mas que a maioria esmagadora não sabe explicar o que é. Estou falando do termo unção. Todo mundo quer receber, a maioria reconhece que é importante ter, muitos conseguem identificar quem tem bastante e quem tem pouca, mas, quando perguntamos o que é unção... o silêncio prevalece. Diante dessa atitude nada esclarecedora, as interrogações se multiplicam. Por isso, nas linhas seguintes, tentaremos esclarecer esse “mistério”, apontando o significado da palavra e seu uso à luz das Sagradas Escrituras.
Bem, “unção” diz respeito ao ato ou efeito de ungir, que, na prática, consiste na aplicação ou espalhamento de óleo ou qualquer outra substância gordurosa. No Antigo Testamento, a unção era aplicada sobre objetos a fim de separá-los para uso exclusivo no culto (Êxodo 29.36,37), e sobre pessoas, com o propósito de designá-las para uma tarefa ou ofício específico. Normalmente, isto ocorria por ocasião da consagração de reis (1Samuel 9.16), sacerdotes (Êxodo 40.13-15) e profetas (1Reis 19.16). É claro que esse ato consagratório era simbólico. Não havia poder algum no óleo (ou azeite). Era apenas um sinal exterior que indicava a separação de alguém (ou algo) para Deus, cuja observância, assim como os demais ritos da Antiga Aliança, tornou-se desnecessária após a morte, ressurreição e ascensão de Jesus Cristo.
Por conseguinte, no Novo Testamento não há “unção” com óleo para fins de consagração. Até porque, não haveria razão alguma para ungirmos os objetos utilizados no templo, uma vez que agora nós somos o templo do Espírito Santo (1Coríntios 3.16,17). - Ah, então podemos ungir pessoas? De maneira nenhuma. Porquanto, a Bíblia ensina que, no Novo Testamento, a unção, ou seja, o que promove a separação de alguém para Deus, é o próprio Espírito Santo, e não o óleo ou o azeite. Senão vejamos: em 1João 2.20, o apóstolo diz aos seus leitores – “E vós tendes a unção do Santo e sabeis tudo”. Perceba que ele não faz distinção entre um e outro, sua declaração abrange a todos. Isto é, todos nós temos essa unção. Mas que unção é essa? Em 1João 2.27, a identidade da unção fica um pouco mais clara, pois ele afirma: “E a unção que vós recebestes dele fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, assim nele permanecereis”. A partir daí, concluímos que a “unção” não pode ser uma “energia” ou apenas uma capacitação especial. Afinal de contas, ela é capaz de “ensinar”. O mais interessante, entretanto, é que João diz que a unção “ensina todas as coisas”. Ora, no quarto evangelho, texto escrito pelo mesmo apóstolo, relata-se o seguinte dito de Jesus acerca do Espírito Santo: “Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito” (João 14.26). Diante dessa declaração, a conclusão óbvia é que a nossa unção é o próprio Espírito Santo. Logo, não há a necessidade de por azeite sobre a cabeça de ninguém.
Contudo, talvez você questione: - mas e a orientação de Tiago a respeito do uso do azeite sobre os enfermos (Tiago 5.14)? Bem, naquela época, o azeite, assim como o vinho, era usado como medicamento. Um exemplo disso é o procedimento do samaritano na parábola contada por Jesus. O texto diz que, vendo um homem quase morto, o samaritano se aproximou, “atou-lhe as feridas, aplicando-lhes azeite e vinho” (Lucas 10.34). Além disso, Tiago ressalta que “a oração da fé” salvaria o doente (Tiago 5.15), não o azeite. Assim, a orientação de Tiago é: tome o remédio, mas ore a Deus.
Pr. Cremilson Meirelles  

terça-feira, 6 de outubro de 2015

TERMOS EVANGÉLICOS QUE MUITOS EVANGÉLICOS NÃO SABEM O SIGNIFICADO – PARTE I

Pastoral redigida para o boletim dominical da Primeira Igreja Batista em Manoel Corrêa
A linguagem evangélica contemporânea é caracterizada por uma fraseologia padrão, baseada nos textos bíblicos. Termos como aleluia, amém, varão e bênção são usados com regularidade no âmbito eclesiástico, seja nos cânticos ou no discurso dos crentes. O curioso, entretanto, é que muitos dos que utilizam essas expressões não fazem ideia do seu significado. Por conta disso, considerei relevante conceitua-las nesta pastoral.
Sem dúvida alguma, dentre as palavras mencionadas, a mais empregada é o “amém”. Em razão disso, seu significado é bem mais conhecido que o das demais. Porém, sempre há quem não o saiba. Por isso, lá vai: “amém” é uma palavra de origem hebraica, que, literalmente, quer dizer “assim seja”. A partir daí é possível concluir que sua utilização deve ocorrer no fim de orações ou declarações com as quais concordamos. Sendo assim, só faz sentido dizê-lo se, de fato, entendermos o que foi dito (1Coríntios 14.16).
Outro termo pronunciado com bastante frequência nas reuniões evangélicas é o “aleluia”. Este, ao contrário do “amém”, possui um significado desconhecido por muitos crentes. Alguns, inclusive, guiados por esse desconhecimento, o usam indiscriminadamente, a fim de preencher o espaço vazio de suas pregações. Portanto, para evitar esse erro, aprenda: “aleluia” significa “louve ao Senhor”. Normalmente, a palavra é usada como expressão de louvor a Deus, tanto na adoração congregacional como no culto particular. Vale ressaltar, entretanto, que a Bíblia não nos incentiva a gritarmos “aleluia” ou “glória a Deus”, mas nos concita a fazermos tudo “decentemente e com ordem” (1Coríntios 14.40). Afinal, como comentam alguns, Deus não é surdo.
Dando sequência ao nosso “glossário evangélico”, resta-nos ainda dois termos a serem abordados: “varão” e “bênção”. O primeiro, como a maioria deve saber, indica um indivíduo do sexo masculino. Contudo, é importante ressaltar que essa palavra só aparece nas versões mais antigas das Escrituras. Nas mais recentes, homem é chamado de homem. Mesmo assim, há quem pense que o “homem cristão” deve ser chamado de varão, o que é absurdo, uma vez que, nos idiomas originais da Bíblia, os termos traduzidos como varão significam homem e não, exclusivamente, “varão”, como se esta fosse uma palavra especial, revestida de sacralidade. Eu hein! Remeter-se a alguém dizendo, - e aí varão; é o mesmo que dizer: - e aí homem! Esquisito, né? Por isso, é melhor chamar as pessoas pelo nome, ou usar o vocativo “irmão”.
A respeito da palavra “bênção”, vale salientar que equivale a “bendição”, que é o oposto de “maldição”, e traz em si a ideia de invocar o favor de Deus sobre uma pessoa ou um povo (Números 6.22-27). Além disso, pode referir-se a favores e vantagens que Deus concede, comunicando-nos prazer ou felicidade. Há ainda um uso coloquial, mais abreviado, conhecido como “bênça”. É claro que esta forma não se enquadra na norma culta da língua portuguesa.
Pr. Cremilson Meirelles